Ir para o conteúdo
boas-praticas-na-limpeza-hospitalar

boas-praticas-na-limpeza-hospitalar

Boas práticas na limpeza hospitalar

A limpeza é um momento extremamente importante na rotina de um hospital. É nessa hora que as impurezas e sujeiras são removidas, para que o número de bactérias e microrganismos indesejados saiam de cena.

 

Por isso, esse momento é tão primordial quanto a limpeza dos equipamentos/máquinas usadas pelos profissionais nos pacientes. Desse modo, é necessário garantir que a limpeza e todos os seus processos estejam sendo realizados da maneira adequada, isto é, esterilizando e desinfectando, descartando materiais da forma correta para que se proteja pacientes e profissionais de uma infecção hospitalar.

Tipos de limpeza hospitalar

A limpeza hospitalar deve ser feita por etapas, afinal, há algumas áreas que demandam cuidado redobrado na hora de limpar. Por isso, é sempre necessário contratar empresas especializadas com profissionais capacitados.

 

Além disso, existem alguns tipos de limpeza e elas são divididas de acordo com a criticidade da área do hospital:

 

  • locais não-críticos: geralmente são os locais mais básicos, onde não são realizados nenhum tipo de procedimento, como por exemplo: recepção, áreas administrativas, etc.;
  • locais semicríticos: aqui já são locais que são ocupados por pacientes, como os leitos, mas que não têm muito potencial de transmissão de bactéria/vírus;
  • locais críticos: são os espaços que têm muito risco de transmissão e propagação de doenças, como o centro cirúrgico e a lavanderia.

 

E para cada área dessa há uma limpeza específica que deve ser realizada, a começar pelo processo de desinfecção e esterilização do ambiente. Para limpar e deixar tudo conforme as normas existem os seguintes tipos de limpeza:

 

  • limpeza concorrente – é a limpeza realizada todos os dias em várias áreas do hospital;
  • limpeza terminal – muito mais profunda que a concorrente, ela abrange teto, parede e piso e acontece em um determinado intervalo de tempo, definido, geralmente, pela alta ou saída de um paciente;
  • limpeza imediata – como o próprio nome já diz, é a limpeza que ocorre naquele exato momento que ocorre um acidente, uma secreção é derramada, etc. É feita para realizar a descontaminação imediata daquele local.

 

Requisitos importantes para a limpeza hospitalar

A limpeza e conservação de hospitais e clínicas laboratoriais é imprescindível, não só para manter um ambiente agradável, mas para que a saúde das pessoas que estão ali não seja colocada em risco por um erro que poderia ser evitado com algo básico: limpeza.

 

Por isso, além da utilização de equipamentos de qualidade para realização da limpeza e conservação, é preciso se atentar para alguns pontos importantes nesse momento, como:

 

  • A cozinha hospitalar é uma área que merece cuidado e atenção redobrada. Como os pacientes estão com a saúde fragilizada, caso o local não esteja 100% higienizado há o risco de o paciente contrair uma infecção alimentar. Fora isso, é um ambiente que deve seguir normas de limpeza e segurança para garantir seu livre funcionamento;
  • Controle de contaminação – hospital é um local em que o controle de contaminação deve ser rigoroso, já que muitos estão ali já fragilizados. Por isso é importante uma empresa que tenha profissionais capacitados e treinados para essa situação.
  • Escolha de produtos – é preciso que a empresa contratada use produtos biodegradáveis, autorizados pelo Ministério da Saúde e a Vigilância Sanitária, para que não traga riscos para a condição hospitalar dos pacientes.

 

A Exprhess Limpeza e Facilities conta com um time capacitado, treinado e com os melhores produtos do mercado, proporcionando qualidade e rapidez. Entre em contato para saber como podemos te ajudar.

Deixe seu Comentário





Role para cima